16/10 – Dia da Alimentação

Por Luiz Felippe Medeiros Nogueira*

Hoje é o dia mundial da Alimentação. Tendo início em 1981, a data é celebrada em mais de 150 países, visando conscientizar governos, organizações e empresas sobre questões de alimentação e nutrição. A FAO (Food and Agriculture Organization – Organização das Nações Unidas para a Alimentação e a Agricultura) trabalha essas questões através de conferências por todo o mundo e tem como objetivo promover essa conscientização, além de arrecadar fundos para projetos e divulgação dos mesmos. E 2014 foi instituído como Ano Internacional da Agricultura Familiar, com o tema “Preço dos Alimentos – da Crise à Estabilidade”.

Como falar em alimentos no Brasil sem abordar um pouco a grandeza do nosso território? Com uma grande base agrícola, o Brasil avançou bastante na questão da nutrição e de alimentos de uns anos para cá. O conhecimento foi levado para diversas regiões, desde áreas totalmente industrializadas até os lugares mais subsistenciais, tornando a população ciente dos benefícios dos alimentos e de suas facilidades para o comércio e geração de renda. Hoje, a cultura de alimentos que eram tratados apenas como familiares e não tinham muito espaço cresceu, dando espaço a novos produtores.

É esse o caso das comunidades ribeirinhas espalhadas pelas regiões amazônicas. Através de projetos de especialização, a exemplo do Programa Carbono Neutro, encabeçado pelo Idesam, a população da RDS (Reserva de Desenvolvimento Sustentável) do Uatumã vem absorvendo a ideia da produção sustentável de alimentos. A parceria entre o Idesam e as comunidades ribeirinhas teve bastante sucesso com a implantação dos SAFs (sistemas agroflorestais). A ideia de trabalhar com plantação de mudas para extração futura (açaí, castanha-do-pará, café), alternada com colheitas de curto prazo (maracujá, guaraná, banana), agradou bastante as comunidades, vendo nos SAFs uma nova possibilidade para geração de renda e sustento familiar.

Esse crescimento e as novas informações inseridas no contexto da RDS trouxeram grandes mudanças que poderão possibilitar um pleno desenvolvimento das comunidades. Tempo e dinheiro que até então eram dispensados à monocultura estão sendo aos poucos transferidos para os SAFs. O aprimoramento técnico de estilos de plantação, colheita e armazenamento gera possibilidades de trabalhar em breve com grandes indústrias no fornecimento de matérias primas para produção. Isso tem potencial para aumentar o investimento externo nessas áreas, trazendo benefícios para toda uma população. Sem deixar de lado o benefício gerado para a produção e comercialização dos produtos beneficiados, os quais, com a redução nas perdas, aumento do volume de colheita e minimização de custos, passam a ter uma diminuição do seu preço de venda ao consumidor final.

Além desses benefícios, o conhecimento gerado influencia diretamente em questões de saúde, pois o trabalho das comunidades no fornecimento para as indústrias atende a uma demanda importante, que é a segurança alimentar, promovida principalmente por uma produção orgânica ou com baixos níveis no uso de produtos químicos.

Como próximos passos, é preciso pensar em projetos de beneficiamento dos produtos agroextrativistas nas proximidades dos locais de colheita/produção, como forma de potencializar a relação das comunidades com o comércio externo. Alguns bons exemplos são a criação da usina de beneficiamento Chico Mendes, em Xapuri (PA), o projeto de implantação da Cooperativa Mista Extrativista dos Quilombolas, em Oriximiná (PA), e miniusinas espalhadas por toda a extensão amazônica. Nesse locais, os investimentos estão sendo feitos e já colhe-se os “frutos” com produtos, especialização e capacitação humana.

Porém a batalha continua. Não basta apenas criar planos de manejo e promover conscientização sem garantir às famílias o acesso aos recursos naturais e ao uso deles. Os alimentos ainda são grande foco de discussões por todo o mundo, e continuarão sendo. Não basta trabalhar apenas com uma pequena parte da sociedade e suas necessidades imediatas. Temos que expandir o conhecimento e trabalhar em conjunto com aqueles que realmente precisam de apoio. E saber extrair da terra o que ela tem de melhor, de maneira sustentável e com consciência, entendendo que os focos de hoje não podem ser esquecidos amanhã.

 


*Luiz Felippe Medeiros Nogueira é engenheiro de Alimentos pela Universidade de Campinas (Unicamp) e trabalhou como voluntário no Idesam entre janeiro e março de 2014, onde desenvolveu atividades de capacitação em comunidades ribeirinhas da RDS do Uatumã (AM).

 

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s